quinta-feira, 12 de julho de 2007

"Brás Cubas" X "Memórias Póstumas"

Na obra de Machado temos uma narrativa em primeira pessoa, focada no personagem principal, o “defunto” Cubas, alguém que após a morte resolveu relatar fatos de sua vida. Não há moral, não há final feliz, apenas fatos de romances inacabados, adultérios, frustrações políticas, reflexões, lembranças, devaneios e interferências do autor, através do personagem. Não é uma história visivelmente linear, pois alguns capítulos avançam e voltam no tempo, intercalam-se com os devaneios e reflexões. Porém, apesar da narrativa se apresentar descontínua, não deixa de ser uma história linear. O diretor André Klotzel observa que a obra parece bem moderna, considerando a época em que foi escrita, 1881.

Bressane tentou se aproximar do universo imaginário tanto de Cubas, como de Machado, criando um filme repleto de alegorias e interferências. Ao invés de uma narração do personagem-defunto-autor, como ocorre na adaptação de Klotzel, Bressane optou em narrar através das imagens. Em alguns momentos, o personagem Cubas dialoga com o espectador, assim como acontece no livro, mas a maior parte do filme, dá-se pelas imagens e diálogos da cena.

“Brás Cubas” de 1985 intercala as alegorias em cenas e montagens audiovisuais. No início do livro, há uma passagem fantasiosa de Cubas onde ele se refere ao início dos “delírios”, e no filme, o início também é marcado por uma tentativa de transpor esse imaginário absurdo.

Na cena do envolvimento de Cubas com Marcela, ocorre uma interferência direta do autor do filme, a equipe de filmagem dialoga com os atores Fernando Guimarães e Regina Case, voltam à cena e o filme segue. Esta interferência integrada com as cenas, distancia o espectador do filme, trazendo a reflexão de que “isso é apenas um filme”, igualando-se a Machado que cria esse distanciamento no leitor, quando há um momento de tensão e ele interrompe dialogando através do personagem, diretamente com o leitor, e trazendo a reflexão de que “isso é apenas um livro”, característica também marcante de Machado. Além desse tipo de interferência, ocorre interferência através do personagem Cubas, que dialoga diretamente com o espectador, se referindo a ele como tal. “caro espectador...” Essa interferência transpõe a interferência que acontece no romance, e nesse ponto, Bressane deixou o filme interessante.

Num primeiro olhar, vemos os personagens ridicularizados, mas que serviram para, literalmente, ironizar o filme e criar alegorias da sociedade, que condizem com a obra de Machado. Bressane parece tentar realmente adaptar o livro ao cinema, inclusive transpondo a mão do autor do livro para a mão do autor do filme. Apesar de interessante, a construção da narrativa de Bressane dificultou a compreensão da história. Em parte também, porque o filme de Bressane parece ter sido de um orçamento muito mais baixo que “Memórias Póstumas” de André Klotzel, filme de 2001.

Klotzel consegue fazer um filme agradável, engraçado, levemente irônico e transpondo as partes principais da história de Machado. “Memórias Póstumas” possui um bom elenco, cenários e figurinos bem construídos, além de uma vasta pesquisa histórica. Boa parte do filme é narrada pelo ator Reginaldo Farias que interpreta Cubas já no final da vida, e as imagens apenas reforçam a narrativa do personagem. É como se o filme adaptasse quase que fielmente o livro, sem a interferência do cineasta, abandonando o estilo de Bressane. Ainda ocorrem interferências, mas do personagem e não mais do autor do filme.

Além desses paralelos, Klotzel preferiu não trabalhar com a irmã de Cubas, pois ela não consta no filme, nem seu cunhado, subtendendo-se que ele é filho único. O pai parece mais rígido que no próprio livro e alguns personagens não foram muito desenvolvidos na trama.

Enfim, as duas adaptações trouxeram contribuições para o cinema brasileiro. Bressane parece se aproximar do estilo de Glauber Rocha, arriscando-se a criar um estilo diferente e inovador, utilizando também a trilha sonora como narrativa, enquanto Klotzel preferiu seguir um cinema mais tradicional, bem acabado narrativamente e fiel a obra de Machado.

Um comentário:

Palhastro disse...

Interessante, vou assistir